Pesquisar Pesquisar.org


+Acessadas Categoria

Mensagens de Reflexão

Tenho 18 anos... quero viver

Gif da mensagem



A crônica que vamos apresentar é um verdadeiro brado de alerta aos “fittipaldis” frustrados que andam por ai dirigindo seus veículos como verdadeiros bólidos, para “chamar a atenção das menininhas”. Na verdade, eles estão brincando com a morte, que vem quando menos se espera.
Esse verdadeiro sussurro de desespero, foi publicado em vários jornais do interior e pela mensagem dirigida especialmente aos jovens, fizemos questão de publicá-la também em nossa cidade.
Eis a alerta: Tenho 18 anos... Quero viver

No dia em que morri, o sol brilhava, aberto para plena alegria de viver. Lembro-me que adulei meu pai para emprestar-me o carro. Queria dar umas voltinhas e prometi-lhe que teria todo cuidado do mundo. Quando me deu as chaves só em pensar em dirigir á vontade mal pude conter o impacto, de mesmo nas ruas, botar o carrão a oitenta por hora. Sai logo para a estrada.
Queria correr sentir o vento fustigar-me as, faces, ver os cem por hora do velocimetro. Pisei firme no acelerador, alcancei os noventa, ultrapassei os cem. Um carro na minha frente não andava e quis podá-lo. Estercei para a esquerda e meti o pé. Mas não vi uma jamanta que vinha na mão e nos pegamos em cheio de frente.
Ouvi um estouro, pedaços de ferro, de vidro voarem, senti meu corpo despedaçar-se e percebi que gritava de dor. Um grito só. Depois tudo sumiu na escuridão. Acordei, ao meu lado um médico, guardas. Meu corpo estava estraçalhado, mas, curioso, eu não sentia dor alguma. Tentei erguer-me, mas não consegui sequer mover um dedo.
Afinal cobriram-me com um lençol puseram-me numa ambulância e levaram-me ao necrotério. Ei tirem isso de cima de mim. Tirem me dessa mesa de mármore, esta fria demais. Eu não posso estar morto tenho apenas dezoito anos. Minha namorada me espera. Quero viver, tirem esse lençol que me incomoda, deixa-me sair daqui.
Ninguém me ouvia, não sei porque. Arrumaram o melhor possível os pedaços do meu corpo e parentes vieram identificar-me. Meu pai, com o rosto lavado pelas lagrimas, disse que realmente era o corpo de seu filho. Minha mãe, debruçada sobre o meu peito soluçava com desespero. O meu enterro foi uma experiência estranha. Quando me colocaram na estrada do cemitério, os amigos passavam por mim, fitavam-me com tristeza e as garotas acariciavam minhas mãos e meus cabelos.
Por favor, acordem-me tirem-me deste caixão e deixe-me sair. Tenho apenas 18 anos, com a vida inteira pela frente. Quero viver, quero estudar, quero o amor dos meus pais, quero namorar, competir nos esportes, sou craque no futebol, e neste ano a minha equipe há de ser campeã.
Meus Deus daí, uma nova chance, prometo que serei o motorista mais cuidadoso do mundo. Tudo o que desejo é viver esta vida linda já disse:
“Tenho dezoito anos e quero viver”

Autor da mensagem: Desconhecido

Se souberes o autor da mensagem, favor enviar email para:
Contato do Alternativa de Vida

A equipe do www.pesquisar.org agradece.

Contribuíção: Denise Carreira

Envie a um amigo
Envie a um(a) amigo(a)
Contribua com sua mensagem  Contribua com sua mensagem

Não foi possível ler dados do banco de dados.
Favor tentar mais tarde ou avisar ao administrador


Warning: pg_fetch_array() expects parameter 1 to be resource, boolean given in /home/pesquisar/www/cms/db.php on line 209
Luz, Vida e Amor
Autor:   Francisco Campos de Carvalho
Copyright © 2004-2018 - W W W . P E S Q U I S A R . ORG - Todos os direitos reservados.